O que vem por aí?

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

Capítulo 11 | Rivais (Penúltimo)

by , in

No capítulo anterior...
Um enfermeiro leva André até a sala. Assim que entra, ele é surpreendido por Ana com um abraço.
- Como você tá? (Diz André abraçando Ana)
- Péssima! Esse lugar é horrível! (Diz Ana)
- Quero que saiba que eu estou fazendo de tudo pra te tirar daqui. Já conversei com o Tiago e um amigo meu que é advogado. Ele está resolvendo tudo na justiça.
- Que bom! E porque a Carmen não veio?
- Eu não tenho visto ela na mansão, e não sei onde ela possa estar. 
Na garagem do hospital, um homem sai e não deixa nenhuma pista do que fez. Após alguns segundos Tiago sai do hospital, pega a chave do carro no bolso do jaleco e assim que abre a porta, o carro explode. Tiago é arremessado para longe, batendo posteriormente a cabeça no chão. Foco no rosto de Tiago machucado e sangrando

Capítulo 11

1ª cena (Empresa Orato)
Gustavo entra na sala de Raquel, eufórico.
- Deu tudo certo!
- Tudo o quê?
- O plano ocorreu muito bem, e por isso o Tiago está fora do nosso caminho a partir de agora.
- Ótimo! Isso sim é uma boa notícia. (Diz Raquel, comemorando)
- Mas também tem outra, o julgamento processo de liberdade da Ana foi marcado amanhã.
- Então o André conseguiu.
- Pode ficar tranquila que essa causa já é nossa! (Diz Gustavo sorrindo)
- É o que eu espero!

2ª cena (Clínica de internação, continuação)
André continua a conversar com Ana.
- Foi a Raquel que deu entrada na sua internação. (Diz André)
- Eu já esperava. Não duvido nada que ela pode ter matado o meu pai.
- Mas ela não agiu sozinha. A Carmen ajudou nisso!
- Ah Carmem? Não esperava isso dela! Mas também eu nuca fui muito próxima da Carmen, esse pode ter sido o motivo. (Diz Raquel, surpresa)
- Amanhã é o seu processo, e se depender de mim nós vamos ganhar!
- Assim espero.
Um enfermeiro chega.
- O tempo de visitas acabou. Senhor, pelo que me acompanhe.
- Amanhã vamos nos ver de novo Ana. Tchau.
André beija a testa da sua prima e depois sai.  

3ª cena (Mansão Orato; Quarto de André)
André já em casa, sentado na sua cama, escuta alguém batendo na porta. Era Ciro.
- Pode entrar! (Diz André)
- Tem uma moça que quer falar com o senhor. (Diz Ciro)
- Que moça?
- Ela disse que é irmã do doutor Tiago.
André vai até a porta de entrada da mansão e se depara com uma mulher.
- Você que é André Fernandes? (Diz ela)
- Sim, sou eu.
- Eu sou a irmã do Tiago.
- Ah sim, tudo bom?
- O meu irmão comentou que vocês dois estavam trabalhando num caso, estou certa?
- Exatamente! Tudo vai se resolver amanhã numa audiência.
- Pois então... o meu irmão sofreu um acidente.
- Oi? Como assim? Como ele está? (Diz André, preocupado)
- (Emocionada) Infelizmente... ele morreu!
- Como é que é?
A irmã de Tiago continua a chorar. André a abraça.
- Me conta, como isso aconteceu? (Diz André, chocado com o ocorrido)

4ª cena (Mansão Orato; Escritório; horas depois)
Raquel entra no escritório e pergunta:
- Queria falar comigo?
- Sim! (Diz André)
- Mudou de ideia, vai querer vender suas ações?
- Eu nunca venderia, principalmente pra você. Mas não é esse assunto que eu quero falar, não!
- Então, do que se trata? (Diz Raquel)
- Não adianta mentir pra mim, eu sei que foi você que provocou o acidente do Tiago. Só quero entender o porquê disso tudo! É dinheiro? Você teve tudo o que sempre quis Raquel. (Diz André, nervoso)
- Você não tem provas contra mim! Se eu fosse você eu desistia desse julgamento, que já está perdido. (Diz Raquel, exaltada)
- É só isso que tem pra me dizer? Pode falar Raquel, está só nós dois aqui!
- Pelo visto você não desiste fácil, mas eu compreendo sua situação, afinal se a minha irmãzinha passar as ações pro seu nome, você será o novo presidente da empresa.
- E não seria basicamente o mesmo objetivo que o seu? (Diz André)
- Tem razão. Mas nesse caso eu acho que fui muito mais esperta.
- Então admite que matou o Tiago?
- Se é o que realmente quer saber, sim! Aliás, não foi só o Tiago, eu também tive que tirar a Carmen do meu caminho!
André fica surpreso com a confissão de Raquel.
- Como pode? A Carmem!... ela não estava do seu lado?
- Já falamos tudo que tinha pra falar! Vamos ver quem vai sair vitorioso amanhã. (Sorrir Raquel)
Assim que ela sai do escritório, André pega um pequeno gravador escondido e desliga.
- Quem rir por último rir melhor!

5ª cena (Audiência; No dia seguinte)
O advogado conversa com André.
- Essa confissão que você trouxe vai ser de muita importância, vai definir todo julgamento.
- Eu só quero que a justiça seja feita.
Do outro lado, Gustavo conversa com Raquel.
- O André tá deferente, não acha? Bem confiante. (Diz Gustavo)
- Ele sempre foi assim, eu acho que a gente devia ter tirado ele também do nosso caminho.
- Claro que não! Ia levantar suspeitas demais.
O advogado chega até Raquel e Gustavo.
- A audiência já começou. Vamos?

6ª cena (Audiência; Dentro da sala)
Todos se sentam, inclusive Ana, que está ao lado de André. O juiz começa a ler a introdução do processo. Raquel olha para o juiz, confiante.

No próximo capítulo...
André mostra a gravação que fez de Raquel confessando seus crimes.


E NÃO PERCAM
SEGUNDA À SEXTA - 20:00H

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

Pura Emoção - Capítulo 3: "Lei da Vida"

by , in




De: Anthonny

No capítulo anterior:

Carlos tenta convencer Gonçalves a não se vingar, mas ele diz que está irredutível. Aurora afirma que irá ganhar o campanha do jornal A PRAÇA. Gonçalves corta o freio do carro que Zé irá viajar e o carro cai da ponte, Zé Mendigo morre. Enzo vai até o túmulo de Zé e lá encontra Natália. Celeste derruba suco em Aurora que exige que André a demita mas ele não faz isso.



Fique agora com o capítulo de hoje:


Cena 1: Doceria/INT. DIA

Sonoplastia: Tensão

Aurora se levanta.

Aurora: Eu não ficarei nem mais um segundo, nesta doceria mequetrefe!

Carlos: Mas nem comemos nada! Acabei de sair do emprego, vou voltar com fome?

Aurora: Qualquer lugar é mais digno de comer que aqui, vamos Carlos.

Carlos se levanta.

Aurora e Carlos andam um pouco na intenção de deixar a doceria mas, Aurora para, volta até a mesa, da um leve sorriso e esfrega um prato com torta no rosto de André.

Aurora: Gostosa não?

André: Também desejo a senhorita um ótimo dia, volte quando quiser!

Cena 2: Doceria/Banheiro/ INT. DIA
Sonoplastia: Ambiente

André entra no banheiro.

Celeste está lavando seu rosto na pia, em frente ao espelho.


Celeste: Também levou uma tortada?

Celeste e André riem.

André: Ela é louca, mas como um bom gerente, mantive a classe.

Celeste: Eu tirarei o uniforme e deixarei ele na sua sala após sair.

André: Menina, para de ser boba, não vou te demitir não, vou não estava errada.

Celeste: Muito obrigado, não imagina como eu preciso, e ser demitida já no primeiro dia...

André: Mas preciso fazer um pedido... Não faça mais isto, é feio, eu sei, eu sei, você estava certa, mas se você ignorar com classe, ela que vai sair por baixo...

Celeste: Prometo não repetir.

André: Mas pelo que me disse ela não voltará tão cedo, ou talvez nunca mais!

Celeste: Seria meu sonho!

André e Celeste riem.

Cena 3: Praça/EXT. DIA
Sonoplastia: Ambiente

Natália e Enzo chegam de carro à praça.

Natália: Você continuará morando na rua?

Enzo: Sim, foi onde vivi minha vida toda.

Natália: Eu sei, mas não sei se Zé gostaria de vê-lo morando só nas ruas...

Enzo: A rua já é minha casa... Estou tão acostumado com ela quanto ela está comigo.

Natália: Enzo, vamos até minha casa... Precisamos conversar.

Enzo: Nos conhecemos agora, quer dizer a senhora me conhecia antes mas...

Natália: Entre por favor, e me chame de você.

Enzo: Certo.

Cena 4: Rua/EXT. DIA
Sonoplastia: Ambiente

Gonçalves anda pela rua com uma garrafa de bebida alcoólica na mão, já bêbado e tonto.

Gonçalves: Eu vinguei você Teresa, finalmente lhe vinguei, o mendigo pagou pelo que fez a você, e a mim também.

Gonçalves toma um longo gole.

Gonçalves: Neste momento ele deve estar embarcando no trem, direto para o inferno.

Carlos e Aurora andam na rua e vêem Gonçalves.


Aurora: Ali é nosso pai?

Carlos: Em carne, osso e álcool.

Aurora: Vamos levá-lo para casa, antes que arrume outra briga e volte pra prisão.

Aurora e Carlos vão até Gonçalves.

Gonçalves: Meus filhos, querem um golinho?

Gonçalves oferece a bebida a Carlos e Aurora.

Aurora: Deveria ter vergonha de oferecer isso aos seus filhos.

Gonçalves: Não sabe o que perde, me relaxa pra caramba.

Gonçalves ri, bêbado.

Aurora: Da pra sentir o cheiro de álcool há metros.

Carlos: Pai, vamos para casa, chega de beber!

Carlos tenta pegar no braço de Gonçalves mas ele se esquiva.

Gonçalves: Vocês são chatos pra caramba, me deixem aproveitar, tudo deu certo, uhul!

Gonçalves pula comemorando e cai no chão.

Ele ri da própria queda, as pessoas passando na rua observam Gonçalves.


Aurora: Para de me fazer passar vergonha!

Gonçalves: Está aqui por que quer não é mesmo?

Aurora: Eu nem sei porque me importo com você, não merece um pingo de pena, vive afundado na bebida, nunca vai crescer, sair da pobreza.

Carlos: Vamos pai, pode levar a garrafa com você se quiser.

Gonçalves: Não se finja Aurora, você não tem pena nem de mim, nem de ninguém, se importa apenas com o que vão falar de você!




Cena 5: Doceria/ INT. DIA
Sonoplastia: Ambiente

André sai de sua sala e vê que a doceria está vazia.

André: Acho que hoje mais nenhum cliente virá, vamos fechar e libero vocês mais cedo.

Márcia: Estou exausta, veio a calhar isto.

Celeste: André, eu não tinha lhe falado antes, por esquecimento meu...

André: Fale.

Celeste: Não teria como adiantar um pouco do meu salário pra pagar um lugar para mim passar a noite?

Márcia: Não se preocupe com isso!

Celeste: Não entendi...

Márcia: Pode ficar tranquila, tenho um lugar onde pode dormir.

André: Ainda bem porque não posso fazer adiantamento...

André, Márcia e Celeste fecham a doceria.

Cena 6: Apartamento de Márcia/Sala de estar/ INT. DIA, Sonoplastia: Ambiente


Márcia e Celeste entram no apartamento.

Márcia: Bem-vinda! Este é meu apartamento, moro sozinha, tem um quarto vago, onde você pode ficar, o aluguel ficará dividido entre nós...

Celeste: Não sei como te agradecer... Me ajudou a conseguir emprego e agora me deu um teto...

Márcia: Eu não sou tão boazinha assim não, é que gostei de você!

Celeste: Posso te dar um abraço?

Márcia: Hum... Deixa eu pensar... É lógico vem cá!

As duas se abraçam sorrindo.

Márcia: Eu só estranhei uma coisa quando você veio para cá.

Celeste: O quê?

Márcia: Cadê sua mala?

Celeste: É uma longa história...

Márcia: Sou só ouvidos! Conta tudo!

Cena 7: Casa de Natália/Sala de estar/INT. DIA, Sonoplastia: Ambiente

Enzo e Natália estão sentados no sofá.

Maria traz água para Enzo, que toma e devolve o copo.


Enzo: Obrigado!

Maria vai embora.

Enzo: Bem grande sua casa!

Natália: Sim, era do meu pai e quando este morreu veio para mim.

Enzo: Desculpa, não entendi ainda porque me trouxe aqui.

Natália: Não precisa se desculpar... Eu tenho uma proposta para você!

Enzo: Proposta?

Natália: Sim, você não pode voltar pra rua, sozinho, mesmo sendo já adulto, é perigoso, a violência cresce a cada dia...

Enzo: Eu sei, mas vivi minha vida toda na rua, não tenho medo!

Natália: Sim, você já me contou isso, a proposta é, você aceita vir morar aqui?

Enzo: Morar aqui?

Natália: Sim, você mesmo disse, esta casa é gigante, existem vários quartos... A decisão é sua!

Enzo fica pensativo.

Cena 8: Rua/ EXT. DIA, Sonoplastia: Tristeza

As pessoas continuam olhando para Gonçalves, que está bêbado.

Carlos: Vamos, por favor, chega de fazer isto, mamãe não iria gostar!

Gonçalves: Não sabe nada sobre sua mãe.

Carlos: Claro que sei, vivi pouco com ela, mas foi o suficiente pra saber que obviamente onde estiver ela não está gostando do que vê!

Gonçalves: Você sabe que ela podia tá aqui? Se não fosse ele, maldito, maldito, mas eu mandei ele pro inferno, eu mandei, eu vinguei sua mãe.

Aurora: Eu cansei, não vou gastar nem mais um segundo com você, aparti de agora esqueço que é meu pai, chega de passar vergonha por você, ficar sem dinheiro por você, eu já odeio a vida que tenho, você faz ela ficar pior, vamos Carlos, não adianta, ele não vem.

Aurora puxa Carlos que resiste um pouco.

Aurora: Vem Carlos.

Carlos e Aurora andam deixando Gonçalves para trás.

Gonçalves: Ninguém entende, não é Teresa? Ninguém entende que essa é a forma...

Gonçalves anda e fica na trilha do bonde.

Gonçalves: Eu perdi tudo, tudo, minha vida acabou, e você, você é a única que continuou comigo.

Gonçalves beija a garrafa de bebida.

Gonçalves: Você é quem ainda me faz rir, esqueço de tudo, graças a você!

Gonçalves ri, enquanto as suas costas o bonde se aproxima.

Pessoas no bondinho: Tem um homem no trilho!

Gonçalves: Graças a você...

O bonde atropela Gonçalves.


Congela em Gonçalves.

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

Reveja Web Mundi - Águas de Março - Capítulo 11 (ÚLTIMA SEMANA)

by , in

(Cena 01 – Rua/Exterior/Dia)
Pedro respira fundo e diz: O Antônio foi sequestrado, Cecília.
Cecília: O quê? Quem fez isso?
Pedro: Simplesmente ligaram pra mim.
(Cecília tira o celular da mão de Pedro)
Pedro: O que você tá fazendo?
Cecília: Vendo quem ligou...
(Pedro repentinamente se toca do perigo)
Cecília: Karina? Quem é Karina, Pedro?
Pedro: Eu tenho uma coisa pra te falar, Cecília.

(Cena 02 – Carro/Interior/Dia)
Antônio: EU QUERO MINHA MÃE! ME DEIXEM SAIR!
Karina: Cala a boa, moleque, cala a boca ou a coisa vai piorar pro teu lado!
Antônio: VOCÊS VÃO SER PRESOS, VÃO VER! Estão achando realmente que a polícia não vai sequestrar vocês?
(Rodolfo aponta a arma para Antônio)
Rodolfo: AGORA CHEGA, MOLEQUE! MAIS UM PIO, E EU ACABO COM A TUA RAÇA!

(Cena 03 – Hospital/Interior/Dia)
(O médico se aproxima de Marcos)
Marcos: E então, doutor, deu tudo certo?
O médico sorri e diz: Deu tudo sim. A Janaína e o Amir já estão bem.
(Se abraçam)
Marcos: Muito obrigado, muito obrigado!

(Cena 04 – Casa de Augusto/Interior/Dia)
(Cecília e Pedro entram e se deparam com Augusto)
Cecília: Anda Pedro, você ainda não me falou o que tem de tão importante pra falar! O Antônio pode estar sendo torturado a essa hora!
Augusto: Cecília, minha querida, sente-se.
Cecília: Pai, o sr. não sabe o que aconteceu!
Augusto: Já sei sim, o Pedro já me deixou à par de tudo. Sente-se.
Cecília: Mas...
Augusto: Apenas sente-se.
(Cecília obedece)
Augusto: O Pedro e eu planejamos dar um susto em você e colocar a culpa no Marcos, é esse o nome do seu amante, não é?
(Cecília arregala a boca)
Augusto: Pois é, nós combinamos tudo com os sequestradores do Antônio, mas eles nos deram um golpe.
Cecília: Seus desgraçados! Eu vou contar tudo para a polícia!
Augusto: Segure-a, Pedro.
(Pedro agarra Cecília pelo pescoço e pelos braços)
Augusto: A partir de hoje, Cecília, você vai ficar de castigo no seu quarto, até conseguirmos trazer o Antônio de volta.
(Cecília é levada para o quarto e a largam no chão amordaçada)
Augusto: Boa estadia.

(Cena 05 – Hospital/Quarto de Amir/Interior/Dia)
(Janaína acorda e vê Marcos a seu lado)
Janaína: Deu tudo certo.
Marcos sorri: Sim, o Amir já tá bem, e você também. Tô tão feliz, sabia? Que no final deu tudo certo...
(Silêncio)
Janaína: Marcos, você vai ou não fazer o exame de DNA.
Marcos: Eu não sei se eu quero isso, Janaína. E se o Amir for filho do Rodolfo? Como é que nós DOIS vamos enfrentar isso?
Janaína: Eu não sei, Marcos, eu não sei. Eu preciso saber o que esse menino representa na minha vida e eu preciso de RESPOSTAS.
Marcos: Eu acho que não deveríamos fazer isso.
Janaína: Devemos SIM! A gente precisa saber A VERDADE.
Marcos: Quem se importa, Janaína? Podemos simplesmente ser felizes sem isso.
Janaína: Talvez você possa, mas eu...eu não vou viver com uma incerteza. Mais do que qualquer pessoa, Marcos, você sabe como minha volta foi chocante. Eu não quero que isso volte a nos atormentar futuramente.
Marcos: Bom, eu já te dei as notícias, acho que posso ir agora.
(Marcos vai embora do quarto)

(Cena 06 – Restaurante/Interior/Dia)
Cida (no telefone): Alô? É da polícia?...Você pode passar aqui em breve?...Quero falar sobre o caso do Ricardo Fragoso...Sim, é importante. Eu iria aí, mas não tenho ninguém para me substituir, e, além disso, eu tenho certeza que isso vai interessar MUITO vocês...Ok, estou no aguardo.
(Cida desliga o telefone)
(Corta para: Imagens do Rio de Janeiro ao anoitecer)
(Corta para: Restaurante/Interior/Noite)
(Gustavo entra e vê Cida com vários policiais ao seu redor)
Gustavo: Mãe, você tava demorando, e eu resolvi vir aqui....o que eles tão fazendo aqui?
Cida (chorando): Filho, a Mamãe precisa te contar uma coisa. Você vai morar com o Papai e às vezes com o Ricardo agora, e eu, filho...eu vou ter que passar um tempo na cadeia.
Gustavo: Não, Mãe! Você não fez nada, você não pode ser presa!
Cida: Filho, o Ricardo foi preso por causa da comida que eu fiz, é óbvio que de alguma maneira a culpa foi minha,
Gustavo abraça Cida e fala: Não, Mãe, não foi!
Cida: Eu entendo que você não acha isso justo, filho, mas a razão mostra que a culpa foi minha.
Gustavo: Não, não foi!
Cida: Adeus, Gustavo!
Gustavo: Não Mãe, você não entendeu! Eu tenho CERTEZA que não foi você! Fui eu, fui eu quem sabotou a comida. Meu pai me mandou fazer isso.
Cida: O quê? Como ele foi capaz?
Gustavo: Ele me garantiu que não aconteceria nada de mal, que a gente simplesmente voltaria a ser feliz como antes, eu, você e ele!
Cida (se dirigindo aos policiais): Acho que vocês já entenderam o que aconteceu aqui.
(Os policiais acenam positivamente)

(Cena 07 – Imagens do amanhecer no Rio de Janeiro)
(Corta para: Casa de Augusto/Interior/Dia)
Augusto: Cecília, trouxe sua refeição.
Cecília: Eu quero é saber do meu filho!
Augusto: Bem, já que só esse tipo de notícia vai lhe fazer bem, lamento informar que você vai ficar sem almoço hoje! Ou melhor, sem nenhuma refeição!
Cecília: Você vai ter coragem de fazer isso comigo?
Augusto: Acho que você não aprendeu muito bem a conjugar verbos na escola. Eu só não vou fazer, como já estou fazendo. Morra de fome, sua ingrata!
(Cecília chora trancada no quarto e atira um vaso na parede)
“Que ódio!”

(Cena 08 – Casa de Marcos/Interior/Dia)
Marcos: Cuidado, Janaína, vai devagar!
Janaína ri e fala: Eu tô bem, Marcos, calma!
(Se sentam no sofá)
Marcos: Pronto.
Janaína: Eu tenho uma pergunta pra te fazer, Marcos.
Marcos: Ok.
Janaína: Onde foi que você conheceu aquela mulher que...namora com você?
Marcos: Numa balada, por quê?
Janaína: Nada. Curiosidade.
Marcos: Ok, vou preparar um café pra gente.
(Marcos volta para perto de Janaína, parecendo indeciso)
Marcos: Eu preciso desabafar uma coisa com você.
Janaína: Vai em frente.
Marcos: A Cecília, minha namorada, é esposa do prefeito e filha do ex prefeito. O Augusto, que é o pai dela, tem uma empresa de engenharia, a Ômega, que é a responsável pelo encanamento da cidade e tudo mais dessa área. Há 12 anos atrás, o Augusto fez uma sabotagem muito sacana aqui em San Martín, e desde lá, temos águas pouquíssimas vezes, e eles continuam recebendo vários impostos, mesmo que com esse trabalho sujo. A Cecília acabou, sem querer, me contando isso, e a gente conseguiu resolver, ela consertou a merda toda, entende? Foi super rápido. Mas agora tudo voltou e ela não me dá mais notícias.
Janaína: Meu Deus, Marcos! Eu tô chocada! A gente tem que denunciar esse homem!
Marcos: Aí é que tá, eu prometi que não faria isso. Ela mesma não fez isso pro bem do filho dela, pra que não tivesse a família destruída. Ela consertou tudo, mas agora essa crise começou novamente e ela não entoru mais em contato comigo. Eu preciso saber o que aconteceu!
Janaína: E se ela te enganou?
Marcos: Eu acho que não, aliás, tenho certeza que não! Na verdade, eu tô com medo que a família tenha feito alguma coisa com ela.
Janaína: Você acha que eles seriam capaz DISSO?
Marcos: Acho. Acho sim, e vou tirar isso a limpo.

(Cena 09 – Casa de Cida/Interior/Dia)
(Batidos na porta)
Gabriel: Já vai!
(Gabriel abre a porta e se depara com a polícia)
Policial: Polícia! É aqui onde mora o Sr. Igor Gabriel Teixeira da Silva?
Gabriel: Sim, sou eu.
Policial: O sr. está preso.
(O policial avança com uma algema para Gabriel, mas ele recua)
Gabriel: Por quê? Eu não fiz nada!
Policial: Seu filho já contou tudo que o sr. fez.
Gabriel: O quê? Eu não fiz nada contra a lei! E a palavra do meu filho basta para lhe convencer de algo? Aquele moleque nem gosta de mim!
Policial: Ele nos contou que o sr. foi o mandante da sabotagem no restaurante Puro Sabor, e nos mostrou o frasco que o sr. entregou-lhe.
Gabriel: Tá, e se eu negar tudo isso?
Policial: As imagens das camêras de segurança da escola onde seu filho estuda mostram o sr. entregando o frasco em questão para o seu filho. Com licença, iremos prendê-lo.
Gabriel: NÃO, EU NÃO ACEITO ISSO! EU SOU UM DEFICIENTE!
(O policial prende Gabriel, ainda que este relute. Ele para de gritar repentinamente ao ver Cida e Gustavo ao lado da porta)
Gabriel: Como você pode fazer isso? Filho imprestável! Pensei que estivesse do meu lado!
(Gustavo começa a soluçar)
Cida: Chega! Você trate de calar a boca, Gabriel, ou eu não respondo por mim. Você acha mesmo que eu voltaria pra você depois do Ricardo ser preso? Acorda, meu amor! Se tem uma coisa que eu não preciso na minha vida, é de veneno!
(Ao passar por Cida, Gabriel cospe em sua cara)
Cida ri e diz: Cospe. Cospe bastante na minha cara. Só espero que lá na cadeia tenha água pra você dividir com seus colegas de cela. Beijos, amore! Muita felicidade!
(Gabriel é levado no carro da polícia)
Cida se ajoelha em frente a Gustavo e diz: Ei, meu amor. Por que você está chorando? Para de bobagem! Você fez uma pessoa inocente sair da cadeia hoje, por que tá triste? Não liga pro que o idiota do seu pai diz, não.
Gustavo: Eu queria que nós três fôssemos felizes!
Cida: Oh, meu amor! Nós nunca fomos felizes de verdade com o seu pai, ele nunca amou nem a mim nem a você realmente!
(Cida abraça Gustavo)
“Vai ficar tudo bem”
(Corta para: Presídio/Exterior/Dia)
(Ricardo sai com as malas e corre para abraçar Cida)
Ricardo: Meu amor! Finalmente a gente vai conseguir ser feliz!
(Se beijam e Gustavo cobre a cara, com nojo)
Gustavo: Já terminaram?
Ricardo (rindo): Já sim, pode abrir os olhos.
Gustavo: Me desculpa.
Ricardo: Não tem o que te desculpar não, moleque. Se não fosse pela sua coragem de acusar seu pai, eu ainda estaria lá dentro.
(Gustavo e Ricardo se abraçam)
Cida: Vocês dois me deixam emocionada!
(Todos riem e se abraçam)

(Cena 10 – Rua/Exterior/Dia)
(Daniel está andando, e Alex se aproxima dele)
“Daniel! Daniel!”
Daniel: Oi, Alex.
Alex: Eu preciso falar com você. Olha...apesar de tudo que aconteceu naquele dia, da Malu...
Daniel: Pula essa parte.
Alex: Eu acho que a gente merece uma segunda chance. Você quer casa comigo, Daniel?
(Corta  para: Praia/Exterior/Dia)
(Daniel e Alex estão sentados um ao lado do outro)
Alex: Você ainda não me respondeu.
Daniel: Muito boa essa água de coco, né?
Alex: Então tá, tchau, eu já entendi.
(Alex se levanta)
Daniel: Alex, espera.
(Daniel se levanta também)
Daniel: Eu acho que agora não é momento ideal, entende? Tudo isso que aconteceu com a Malu...
Alex: Então quando vai ser o momento ideal, Daniel? Quando?
(Alex apanha as sandálias e vai embora)

(Cena 11 – Hospital/Interior/Dia)
(Marcos e Janaína entram no quarto de Amir)
Marcos: Olá, campeão! Eu tenho uma pessoa pra te apresentar. Essa é a Janaína, a mulher que salvou tua vida.
Amir: Posso te dar um abraço?
(Janaína sai do quarto correndo)
Marcos: Só um minuto, Amir.
(Marcos vai atrás de Janaína)
Marcos: Janaína, para com isso! Você precisa encarar o fato dele ser seu filho, independente de quem seja o pai!
Janaína: NÃO DÁ! QUANDO EU OLHO PRA ELE, MARCOS, EU ME LEMBRO DE TUDO, MARCOS, DE TUDO DAQUELE DIA! DA DOR, DOS GRITOS, DO MEDO, E DE TUDO QUE A KARINA ME FEZ NESSE ÚLTIMOS 12 ANOS. ME DOPANDO TODO SANTO DIA, ME FAZENDO PARECER UMA LOUCA, E AINDA POR CIMA ME TORTURANDO COM DETALHES ERÓTICOS DAS NOITES DE VOCÊS! ISSO É SUFICIENTE PRA VOCÊ ENTENDER OU PRECISA DE MAIS?
(Marcos volta para o quarto de Amir)
Marcos: Ela está com muita dor, Amir. Parece que tá meio doente, sabe? Mas disse que depois vem te ver.

(Cena 12 – Galpão/Interior/Dia)
(Antônio está sentado em um canto da parede, de frente para Karina e Rodolfo, que estão armados)
Rodolfo: Será que não é melhor a gente pedir o resgate logo?
Karina: Não, vamo esperar mais um pouquinho. Quanto mais demorado, mais dinheiro a gente vai conseguir negociar.
(De repente, uma bomba de gás explode no galpão, e a porta perto de Antônio é aberta. Antônio foge. Karina e Rodolfo vão até o estacionamento e veem Antônio entrando em um carro)
Karina: Droga! Não consegui ver a placa completamente!
(Correm pro carro, mas veem todos os pneus furados)
Rodolfo: Quem foi que fez tudo isso?
Karina: Eu não sei, mas quem fez isso, fez de propósito pro Antônio escapar, e eu vou descobrir quem foi o atrevido.


(Congelamento em Karina)