sábado, janeiro 20, 2018

CHAMADA MALDITA AMBIÇÃO - CAPÍTULO 11

by , in

A VERDADE SOBRE A PATERNIDADE DE CAROL VEM A TONA, E AGORA, QUAL SERÁ A REAÇÃO DE CÉSAR?


E O RETORNO DE EDGARD VAI MEXER COM OS SENTIMENTOS DE STELLA.

SEGUNDA, 21H
NÃO PERCA AS EMOÇÕES DE MALDITA AMBIÇÃO

sábado, janeiro 20, 2018

Dia 26, o "Reveja Web Mundi" vai dar praia!

by , in
sábado, janeiro 20, 2018

Chamada 1 | Rivais

by , in
sexta-feira, janeiro 19, 2018

Maldita Ambição: Capítulo 10 - "Frutos de uma traição"

by , in


Cena 1: Chega o dia do casamento.
Clarice está vestida de noiva, ela se olha no espelho e diz: Eu consigo tudo que eu quero ( Solta uma risada maléfica ), depois que eu me casar com o César, eu vou transformar a vida de todos, num inferno.

Cena 2: Manhã - Mansão
Renata e Stella descem as escadas.
Renata: Eu não acredito que o papai vai mesmo se casar com essa mulher.
Stella: Só nos resta aceitar.
Renata: Aceitar? Não, ela quer se casar com ele? Que se case, mas ela que esteja preparada pro inferno que eu vou fazer na vida dela, ela não vai ter um dia de paz.
Stella: Aí Renata, a gente não tem mais 13 anos pra ficar espantando as namoradas do papai.
Renata: Exatamente, pra espantar as namoradinhas do papai a gente fazia coisa de criança, agora já somos adultas, podemos fazer outro tipo de coisa.
Stella: Vamos logo Renata.
Renata: Aí vamo.
As duas saem e vão pra igreja.


Cena 3: Renata e Stella chegam a igreja, na porta elas encontram Carol.
Renata: Carol? O que você tá fazendo aqui?
Carol: Eu vim pro casamento do doutor César.
Renata: E quem te convidou?
Stella: Renata para com isso.
Renata: Eu só quero saber, meu pai não costuma chamar as enfermeiras pras festas de família.
Carol: Eu não sou enfermeira Renata, super respeito a profissão, mas eu não sou, eu sou formada em medicina, e quero que reconheça a minha profissão.
Renata: Ui, a enfermeira revoltou.
Stella: Renata para, vai entra na igreja, eu vou indo em seguida.
Renata entra na igreja.
Stella: Desculpa Carol, a Renata implica com todo mundo mesmo.
Carol: Tá tudo bem, o que importa é que você gosta de mim.
Stella: Gosto mesmo, vamo entrar?
Carol: Não, eu prefiro esperar aqui fora, pode ir.
Stella: Tem certeza?
Carol: Sim, pode ir.
Stella: Tá bom então.
Stella entra na igreja

Cena 4: Stella senta do lado de Renata.
Stella: Precisava desse show todo? Precisava constranger a menina assim, Renata?
Renata: Eu não gosto dessa garota, ela é falsa, sonsa, sinto o cheiro de longe.
Stella: Isso é coisa da sua cabeça, a Carol só quer trabalhar, e você fica implicando com ela. Mas acabou, eu não quero mais saber de você humilhando ela, entendeu?
Renata: Aí que coisa chata, me deixa.
Stella: Ok, vamos ver o que o Doutor César vai pensar disso.
Renata: Quantos anos você tem? 8? Ficar falando as coisas pra ele.
Stella: Olha, lá vem a noiva.
Renata: Eu daria tudo pra ver ela caindo.
Todos se levantam para a entrada de Clarice na igreja.
O casamento acontece, todos vão para a mansão, começa a festa.


Cena 5: Mansão
Clarice e César estão atendendo a todos os convidados, Carol chega perto de Clarice e a chama para conversar. As duas entram numa sala e começam a conversar.
Clarice: O que foi filha? Você não pode ter contato comigo aqui.
Carol: Mãe? Até quando eu vou ter que me esconder, fingir que eu não sou nada, eu não aguento mais ser rebaixada pela Renata como se eu não fosse nada.
Clarice: Só mais um pouco Carolina, só mais um pouco e você pode contar tudo ao César.
Carol: Eu só quero que ele saiba que eu sou filha dele, que ele é meu pai e que ele me aceite, só isso.
César entra na sala bem na hora.
César: Você é minha filha Carol? Que história é essa?
(Congela no rosto de Carol)

sexta-feira, janeiro 19, 2018

Anjo Bom - Capítulo 10: "Dia a Dia, Lado a Lado"

by , in




ANJO BOM
by
EVERTON BRITO

CAPÍTULO 10 DE 20

"Dia a Dia, Lado a Lado"





01   INT. MANSÃO DELLAFRANCO-DIA.

Todos estão sentados no sofá da sala de estar, enquanto Miguel explica toda a situação. Juliano, em pé, balançando Toni.

JADE
Pera, deixa eu entender. O vovô deixou um contrato que alega que você, Pai e você, Juliano têm que se casar? E vocês... Se casaram?

Jade se mostra confusa, enquanto Leandra está perplexa.

JULIANO
Mas eu acho que seu avô não sabia que o último descendente da minha avô fosse eu.

LEANDRA
Você se casou, Miguel... Não me disse sobre nada disso, não me contou, simplesmente fez tudo pelas minhas costas!

MIGUEL
Eu não te devia satisfações alguma, aliás, não devo!

LEANDRA
Canalha, estúpido, idiota!

Jade começa a rir alto, achando tudo muito engraçado. Ninguém entende. Toni chora. Leandra olha a criança, porém, não enxerga seu rosto.

LEANDRA
E ele? Fazia parte do pacote também? Adotar um bebê. Olha que lindo! Uma família completa!

MIGUEL
Não, Leandra! Não fazia parte do contrato. O Toni é filho do Juliano. Ele exigiu que eu registrasse o garoto  em cartório, dando meu nome à ele, fazendo de mim  pai na certidão de nascimento dele.

Leandra pensa enquanto Miguel fala. Ela lembra de ter abandonado o bebê no ponto do ônibus e fica desesperada. Grita.

LEANDRA
Desgraçado, infeliz!

Agarra o primeiro vaso de vidro que encontra e joga em Miguel, que se abaixa a tempo de escapar. Leandra corre e parte pra cima de Miguel. Ela começa a bater e arranhar ele.

JULIANO
Alguém para essa mulher!

JADE
Deixa só mais um pouquinho. Até que ele tava merecendo um bom sacode né, não?

Miguel consegue contornar a situação e imobiliza Leandra, já cansada.

02  INT. APARTAMENTO DE RICARDO-NOITE.

Mel vê Ricardo e Laís na cama. Ela chora calada.

MEL
Ri... Ricardo.

Ricardo e Laís se assustam. Ele finge surpresa. Ela apenas se enrola no lençol.

RICARDO
Mel? Eu posso explicar... Eu...

MEL
(Chora)
Não precisa, eu sei... Eu sei o que eu estou vendo.

Mel chora desesperada e sai correndo do apartamento.

03  INT. MANSÃO DELLAFRANCO-NOITE.

Juliano e Jade estão no quarto em que foi reservado para Toni, Jade o observa dormir no berço.

JULIANO
Nossa, ainda bem que aquela mulher já foi. Que louca, fez escândalo e tudo.

JADE
Ela é uma vaca. Dava em cima do meu pai mesmo ele casado com a mamãe.

JULIANO
Você realmente não se importa de ter ganhado um irmão do nada, de seu pai ter se casado com outro homem?

JADE
Que o doutor Miguel faz tudo por dinheiro, eu já, não é novidade alguma. Mas eu tenho que admitir que até um alívio, essa casa é tão triste e tão vazia.

Jade olha para Toni e sorri.

JADE
Agora deve ficar menos tedioso e depressivo.

Juliano se sente bem com as palavras de Jade.

JULIANO
Eu vou ver onde vou dormir.

JADE
É no quarto ao lado. Só deixa eu ficar mais um pouquinho paparicando esse meninão aqui.

Juliano sorri e sai em seguida para os corredores.  Adentra no quarto ao lado e logo nota uma infiltração grande. Bufa e logo sai.  Entra com tudo no quarto de Miguel, que estava nú e assusta, pegando rapidamente a toalha.

MIGUEL
Ou, ou, ou, ou! Tá louco? Sabe bater, não.

JULIANO
Você me colocou num quarto com infiltração de propósito.

MIGUEL
Mania de perseguição essa sua. Eu nem sabia que esse quarto tava com infiltrações, fique você sabendo.

JULIANO
Eu não vou dormir lá, e o quarto do Toni não tem cama.

Miguel torce os lábios e pensa.

MIGUEL
Os outros quartos estão cheios de entulho, não tem como arrumar hoje. Você vai ter que dormir aqui, mas nem pense que eu vou dormir no chão. Se quiser ficar com um lado da cama...

JULIANO
Sua generosidade me comove, sabia?

MIGUEL
Pena que eu não me importo.

JULIANO
Grosso. Pré histórico.

MIGUEL
Intrometido. Mal educado.

04  INT. CASA DE MEL-NOITE.

Mel chora no sofá, Verônica não liga muito. Trinco da porta. Adentram Ricardo e Laís. Mel os olha e corre, partindo para cima de Laís, mas Ricardo a contém.

MEL
Me solta! Falsa! Eu vou acabar com você! Falsa!

RICARDO
Para, para com isso! Chega!

MEL
Vocês dois me traíram! Como...? Não! Me solta, me solta!

VERÔNICA
Chega!

Verônica dá uma bofetada na cara de Mel, que chora.

VERONICA
Chega, vai arrumar suas coisas. Você vai embora daqui! Vai morar em Viena com a sua tia.

MEL
Não vou!

Veronica dá outra bofetada.

VERONICA
Vai sim! Sai daqui! Deixa a sua irmã ser feliz.

MEL
E eu? Onde fica minha felicidade?

VERÔNICA
Você, Mel... Como sempre dando defeito, desde pequena, arrumando escândalo, me envergonhando na frente de todos. Sempre foi um estorvo, uma tralha que eu tive que carregar toda a vida, mas agora acabou. Acabou!

MEL
(Chora)
Ai, eu te amo tanto mãe. A senhora nunca gostou de mim, por quê? Eu só precisava de você, mas você nunca estava, me ignorava, mãe!

Verônica bate novamente em Mel. Ela cai no chão.

VERÔNICA
Você é ridícula! Você é feia, você uma idiota! Eu tenho vergonha de ser sua mãe.

Mel chora compulsivamente. Ela olha para Ricardo.

MEL
Você disse que me amava...

RICARDO
E você acreditou? Você não vê que eu sou muita área pro seu caminhãozinho, sua imbecil? Nunca irei amar uma gorda, obesa como você! Sabe, a cada vez que eu te beijava, dava uma vontade de vomitar incontrolável.

Laís ri.

LAÍS
Foi ilusão sua achar que conseguiria ser amada por alguém. Burra. Eu posso fazer suas malas se quiser, Maninha.

Laís pega na mão de Ricardo e sai. Verônica a olha com nojo e vai embora.

= = CORTE DESCONTÍNUO = =

As portas do carro são fechadas.  O motorista parte. Mel o rosto no vidro, e chorando, vê o carro se afastar da casa.

MEL
(Ódio)
Vou me vingar, vou fazer todos pagarem pelo que fizeram comigo, por tudo que eu passei, eu vou voltar... E quando isso acontecer, vai ser implacável. Todos que me fizeram sofrer vão pagar. Todos

E o carro parte.

05  INT. MANSÃO DELLAFRANCO, QUARTO-  NOITE.

Miguel e Juliano dormem na cama, um de costas para o outro. Miguel não consegue dormir. Juliano entra em um transe.

JULIANO
Mãe? Mãe você está aí? Ah, mãe. Eu te esperei tanto, tanto...

Juliano, de olhos fechados, ainda dormindo, levanta-se da cama e anda até a grande sacada da janela do quarto. Miguel observa tudo, assustado.

JULIANO
Mãe? Eu tô indo, mãe... Eu tô indo. Me espera.

Juliano sobe na sacada e senta-se, de braços abertos.

MIGUEL
Ei, ei!

Miguel levanta-se da cama rapidamente e agarra Juliano antes que ele pudesse pular janela abaixo. Os dois caem no chão. Juliano abre os olhos e cai por cima de Miguel, seus lábios se encostam de relance. Os dois arregalam os olhos.

TOCANDO ENTRELINHAS- ANA VILELA.

A CENA CONGELA.

FIM DO CAPÍTULO.



sexta-feira, janeiro 19, 2018

Uma Estrela Caiu do Céu - Capítulo 5 - A Lei do Retorno

by , in

uma novela de
FELIPE ROCHA

agradecimentos
WEB MUNDI

capítulo
A LEI DO RETORNO
Atenção: Continuação da última cena do capítulo anterior.

CENA 01/CASA DE SERENA/INTERIOR/SALA/DIA
Serena e Lucas se abraçam, felizes. Ela questiona.
SERENA — Você está bem? O que te fez mudar de ideia?

LUCAS  Meu amor por você é tão intenso que não aguentei ficar longe, Serena. És a mais bela da tribo. A mulher com quem pela primeira vez, senti um toque de amor verdadeiro.
SERENA — Serena está sem palavras. Não consegue expressar o que tá sentindo.
Lucas coloca a mão no coração de Serena.
LUCAS — Ouça o coração, ele vai te dar a melhor resposta para essa dúvida.
SERENA — Ah, Lucas você é tão doce! 
Os dois se preparam para beijar novamente 
Anahí, longe, com ciúmes corrige:
ANAHÍ — Chega, chega! Eu acho que esse encontro já deu, os minutos estão até pedindo por favor, o tempo está contado! Logo, logo a fera chega aí e não vai querer te ver aqui Lucas. 
LUCAS — Não tenho medo, enfrento qualquer fera para ficar ao lado da minha amada.
ANAHÍ — Eu acho melhor não facilitar. Antes que eles façam um plano para te matar. O Cadore é um bom pai, mas não queira conhecer o outro lado dele.
LUCAS — E nem o seu você quer dizer né? Eu já conheci o lado dos dois. Tem mais alguma dúvida?
ANAHÍ — Me arrependo de ter deixado você encontrar com a Serena. Vamos fazer assim: vá embora, que eu cuido dela.
Lucas se aproxima de Serena.
LUCAS — Meu amor, eu vou, mas depois eu tô de volta para nós ficarmos juntinhos.
Lucas e Serena se beijam:
CORTA PARA:
_________________________________________________________________________
1°INTERVALO COMERCIAL
confira a abertura editada da novela:
_________________________________________________________________________________


CENA 02 / PENITENCIÁRIA   / RECEPÇÃO / INTERIOR / DIA
Wanda sai do carro de polícia. O policial a leva até a recepção da Penitenciária. Wanda assina os documentos, tira as fotos. 
CORTA RÁPIDO PARA:

CENA 03 /PENITENCIÁRIA   / BANHEIRO / INTERIOR / DIA
Wanda joga suas roupas no chão, veste o uniforme da Cadeia.Em seguida, o carcereiro dá banho de mangueira na vilã que geme de frio! Uma lição daquelas!
CORTA RÁPIDO PARA: 

CENA 04 / PENITENCIÁRIA   / CELA 14 / INTERIOR / DIA
O carcereiro conduz Wanda até a cela da penitenciária. Quando ela chega na cela, ele a empurra e as demais detentas dão gargalhadas. Wanda irritada, diz:
WANDA — Do que vocês estão rindo? Suas vagabundas! Vai pro inferno!
DETENTA 1 — Parece que a florzinha aí chegou nervosa, mas ela não sabe o que está prestes a acontecer para ela não é meninas? Aqui é na marra minha filha! Não tem nada de luxo, nada! 
DETENTA 2 — Se não adaptar aqui, vai para a solitária.
WANDA — Tô nem aí para essas coisas, nem me importo com vocês! Só sei que vou fazer o possível para sair desse terror de lugar. 
DETENTA 3 — Vish, olhem! Ela ainda tem esperança que vai sair daqui.
As demais detentas dão gargalhadas malignas. 
CORTA RÁPIDO PARA:

CENA 05 / CASA DE MARIANA  / SALA / INTERIOR / DIA
Mariana, Moacir e Elisinha chegam do hospital com várias bolsas, após três dias de internação na unidade de saúde. Com isso, elas se deparam com um bolo, refrigerante e salgadinho na mesa. Apolo e Natália produzem barulho e gritam:
APOLO E NATÁLIA — Surpresa!
MARIANA — Meu deus, isso aqui é tudo para mim? Nem acredito! Que vontade de comer tudo isso! Até que eu mereço né? Depois de três dias no hospital, comendo aquelas coisas ruins, papinha!! Aff.
ELISINHA — Mas agora filha nossa vida vai voltar ao normal graças a Deus! Vamos comemorar gente!
Mariana se aproxima de Apolo com saudade.
MARIANA — Amor, eu estava com saudades! Adorei as flores que você me deu aquele dia, mamãe me contou. 
APOLO — Que bom que você está melhor meu docinho, eu também estava com saudades! 
Elisinha desvia o olhar para Apolo, com ódio. Os dois se olham, nervosos. E Mariana percebe tudo.
MARIANA — O que foi amor?
APOLO — Nada não. (pega na mão dela) Venha cá, que eu tenho uma surpresa para você!!
CORTA RÁPIDO PARA:

CENA 06 / MANSÃO  MEDEIROS  / QUARTO DOS IRMÃOS  / INTERIOR / DIA
Ralf e Cristina conversam.
RALF — Para piorar Cristina, a mamãe chegou. Você viu, ela estava se achando só porque forjou a própria morte?
CRISTINA — Eu não me preocupo com isso Ralf, estou mais interessada no nosso plano de afastar a Aninha daqui, precisamos pegar nossa herança logo e fugir para o país. Se ela morrer, será mais fácil. A herança ficará para nós, como dito no testamento.
RALF — Tenho medo do papai alterar o testamento. Com isso devemos tomar providências em antecipar...
CRISTINA — Antecipar? Não, não! Você está ficando louco! É claro que ele não vai mudar o testamento. O papai já deixou bem claro isso. As providências que temos que tomar é contra a mamãe. Precisamos de um jeito para afastar ela daqui, para tudo dar certo! 
Do lado de fora, o empregado da casa, Duende ouve toda a conversa. Mas como a porta estava encostada, ele cai dentro do quarto dos irmãos, que questionam, surpresos:
CRISTINA E RALF — Duende?

CORTA RÁPIDO PARA:
_________________________________________________________________________ 
2°INTERVALO COMERCIAL
_________________________________________________________________________

CENA 07 / TRIBO INDÍGENA  / MATA / INTERIOR / DIA
Lucas vai até a Mata da tribo procurar por flores, segurando uma cesta na mão. Sem que ele perceba, os índios que fizeram acordo com Rafael estão atrás dele observando os seus passos. Lucas se aproxima das plantas, flores, cheira-as e constata:
LUCAS — Essa é perfeita ! O Ophélio diz que aqui tem muitas plantas exóticas, só preciso achar aquela que se parece com remédio.
Lucas, arranca uma planta, em frente a uma árvore da tribo.
Atrás dele, os índios lançam o arco e flecha que atinge a árvore. Lucas se assusta. Ele olha para trás e os índios dão um soco nele e colocam um pano na sua boca. Lucas adormece.
CORTA RÁPIDO PARA:

CENA 08 / TRIBO INDÍGENA / CASA DE RAFAEL / INTERIOR / DIA
Serena, sente um mau pressentimento, sem saber do que se trata. Ela vai até a casa de Rafael, insegura, bate na porta. Rafael atende.
RAFAEL — Serena? Meu amor? Eu estava com saudades de você.
Rafael vai abraçar Serena e ela o empurra.
RAFAEL — O que aconteceu com você? Está diferente. Você bebeu algo que te fez mau?
SERENA — Pare Rafael! Eu não bebi nada, não sou descontrolada. Eu vou ser bem breve. Vim aqui para te dizer que nosso namoro está terminado! Está tudo acabado, eu não gosto mais de você Rafael. Meu coração me diz isso! Acabou tudo!!
E Serena dispara.
Rafael com ódio, enche o olho de lágrimas. Os dois se encaram.

(Congelamento em Rafael ; tenso) 

CORTA PARA:

Encerramento da novela